Fome e corpo, seca e lama: realismo e (des)subjetivação em três momentos da literatura brasileira

Código: 978-85-9530-314-0 Marca:
R$ 57,90
até 3x de R$ 19,30 sem juros
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 57,90 sem juros
    • 2x de R$ 28,95 sem juros
    • 3x de R$ 19,30 sem juros
  • R$ 57,90 Boleto Bancário
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

Em um país de muitas fomes, Valéria Machado optou por estudar, em três narrativas de épocas diversas, as configurações de algumas de suas manifestações literárias. Mais do que sobre a fome, discorre sobre quem a sente, o homem situado no tempo e no espaço em suas relações com o outro. E é nesse contexto que se articulam as relações de poder que, na maioria das vezes, determinam a fome.

Por isso mesmo, à autora deste livro, interessa verificar como fome e processo de subjetivação se articulam. O que tem a fome a ver com a (des)subjetivação? Para responder a essa e outros perguntas, Valéria estudou o jogo enunciativo dos três romances, detendo-se nas figuras dos autores e leitores da época da publicação, na composição narrativa com os papeis dos narradores, personagens no processo de espacialização e temporalização.

Assim, traçou-se a trajetória dos migrantes da seca, no livro A fome, de Rodolfo Teófilo, marcado pela mistura do discurso científico e ficcional, pelos tons realistas/naturalistas ao lado de dramas românticos. Ressaltou-se o corpo dessubjetivado pela abjeção do corpo físico dos migrantes e pelo corpo social decomposto que simbolizaria a própria nação. O caminho de Fabiano, em Vidas secas, de Graciliano Ramos, é apresentado com suas muitas ramificações, já que, mais que o ciclo da seca, interessa à autora, ressaltar, no ciclo da vida, as volutas do desejo desenhadas por Graciliano. Do romance Homens e caranguejos, de Josué de Castro, Valéria Machado, apontando para sua diversidade de perspectivas – geográfica, sociológica, antropológica e literária –, ressalta a força do sonho como elemento de resistência no ato de contar histórias.

Aliás, o que se depreende da análise dos romances efetuada por Valéria é a insinuação da fome sorrateira a permear as narrativas, metamorfoseando-se e metamorfoseando-as, o que, se por um lado, evidencia sua permanência, por outro aponta também para as formas de resistência. Assim, conclui-se pela importância da encenação da fome em suas múltiplas configurações caranguejeiras, até para alertar para o presente e o futuro vindouro, sempre no ato recursivo de contar histórias. Ao leitor, a oportunidade de partilhar da sensibilidade de Valéria Machado e dos autores estudados.

Autor(a): Valéria Aparecida de Souza Machado

R$ 57,90
até 3x de R$ 19,30 sem juros
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • Pagar.me V2
Selos
  • Site Seguro

LETRAMENTO EDITORA E LIVRARIA LTDA - CNPJ: 19.916.663/0001-89 © Todos os direitos reservados. 2021

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência em nosso site. Para saber mais acesse nossa página de Política de Privacidade